controle patrimonial

Nota: O conteúdo a seguir sobre controle patrimonial foi escrito por Renata Salomão do nosso parceiro Investor, consultoria em avaliações nas áreas de Finanças Corporativas, Consultoria Imobiliária e Gestão do Ativo Imobilizado.

 

Entender o que é controle patrimonial e realizá-lo de forma adequada pode representar um diferencial para a sua organização. Isso porque, para ter um produto ou serviço competitivo, é preciso reduzir custos e simplificar operações. E, para isso, controle e organização são essenciais.

Porém, muitas vezes, empresas deixam esse processo de lado sem saber que negligenciá-lo pode trazer consequências negativas para os resultados do negócio.

Mais do que uma ação para cumprir exigências legais, o controle de patrimônio é essencial para a gestão da empresa, para sua credibilidade e, consequentemente, para sua permanência no mercado.

Por isso, é preciso enxergá-lo não como um gasto, mas como um investimento para o seu negócio. Continue com a leitura do artigo para compreender o que é e qual a importância de um bom controle patrimonial.

O que é Controle Patrimonial?

O controle patrimonial nada mais é do que uma gestão de todo o patrimônio de uma empresa.

Mas o que é patrimônio? São todos os bens, direitos e obrigações de uma empresa. Bens são tudo aquilo que tem valor econômico e podem ser convertidos em dinheiro pela organização. Direitos são tudo aquilo que a empresa tem o direito de receber. Obrigações representam as dívidas que a empresa possui perante credores.

A partir desse processo é possível identificar, catalogar e verificar o valor de todo o patrimônio da empresa, assim como monitorá-lo.

Em relação aos ativos imobilizados, ou seja, os bens destinados à manutenção das atividades da empresa ou exercidos com essa finalidade, o processo torna-se ainda mais relevante.

Com ele, é possível verificar, por exemplo, o estado de conservação, a taxa de depreciação, a vida útil, a necessidade de manutenção e a capacidade produtiva de tais ativos.

Vale lembrar que cada espécie de ativo possui características específicas, o que torna os processos de gestão e classificação diferenciados.

De tal forma, o processo permite a emissão de relatórios com informações estratégicas para que gestores tomem suas decisões de forma mais precisa.

Etapas do Controle Patrimonial

O controle patrimonial envolve 5 etapas:

 

  • Inventário – vistoria para levantamento dos bens e de suas características técnicas, emplaquetamento ou tombamento dos ativos, registro fotográfico, descrição completa e identificação da localização do bem;
  • Avaliação dos ativos – determinação do valor justo de todos os bens, ou seja, seu valor real e atualizado, como também, seu valor residual (o que a empresa espera receber ao final de sua vida útil);
  • Revisão das vidas úteis dos imobilizados – avaliação para determinar o potencial produtivo do bem já que sua validade pode sofrer alterações ao longo do uso, então é preciso contabilizar sua depreciação, amortização e obsolescência;
  • Determinação das novas taxas de depreciação – cálculo da taxa correspondente à perda do valor do ativo devido ao uso, desgaste ou obsolescência;
  • Teste de Impairment – verificação anual do valor dos ativos para reconhecer se estão desvalorizados, ou seja, se o valor contábil excede o valor justo. Se sim, é preciso contabilizar o resultado e registrar a baixa contábil.

Importância do Controle Patrimonial

Vimos anteriormente que o controle do patrimônio, além de ser uma exigência fiscal, fornece informações estratégicas valiosas para os gestores. Mas essa é apenas uma das vantagens de um controle eficiente.

O controle patrimonial feito de forma adequada, permite definir o custo do produto ou serviço de forma mais exata, considerando, por exemplo, a taxa de depreciação das máquinas utilizadas. Dessa forma, a precificação será mais precisa.

A partir do processo, é possível reduzir taxas de quebras, furtos, desvios e obsolescência, bem como acompanhar o patrimônio de forma mais minuciosa. Assim, a empresa pode planejar com antecedência os investimentos, compras e fluxo de caixa, de forma a atender necessidades reais da empresa.

Com essa previsibilidade, torna-se possível evitar gastos desnecessários, pesquisar e negociar preços, obter melhores prazos de pagamento, evitar despesas inesperadas ou mesmo interrupções do funcionamento da organização. Ou seja, o planejamento orçamentário da organização torna-se mais sólido e assertivo.

Além disso, é possível obter o valor patrimonial da empresa que corresponde à uma das principais formas de fazer seu Valuation, utilizado em eventuais negociações e, também, como forma de garantir transparência aos seus investidores.

Com todas essas vantagens, fica visível que uma empresa com controle patrimonial eficiente está à frente daquelas que não o fazem, certo?

A ausência de controle pode colocar a credibilidade da organização em jogo, pois compromete a apresentação de seus resultados financeiros, como também demonstra certa desorganização e inviabiliza a visão sobre a real situação financeira da empresa.

Além disso, a empresa corre riscos relacionados à “Omissão de Receita” por deixar de declarar seus bens patrimoniais, incorrendo em multas e impostos.

Alguns cuidados…

Já ficou claro que o controle é fundamental e necessário para sua empresa, mas alguns cuidados precisam ser levados em consideração.

Os laudos de controle patrimonial devem ser elaborados conforme a Lei 11.638/07 e de acordo com as normas definidas pela ABNT/IBAPE-NBR-14.653.

Também é fundamental que a equipe responsável pelo processo seja qualificada e experiente já que os resultados financeiros do seu negócio podem ser diretamente impactados por este relatório. Conheça a Investor, empresa especializada em avaliações e controle patrimonial.

Fique atualizado!
Gostaria de receber mais dicas no seu e-mail?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.